ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de artistas famosos. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história.
Este espaço destacará as obras contidas no mais antigo cemitério de São Paulo, o da Consolação, que abriga uma infinidade de esculturas e obras arquitetônicas, que sem sombras de dúvidas, representam um museu a céu aberto, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural, através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, s0frimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério , a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



CEMITÉRIO DA CONSOLAÇÃO

FUNDAÇÃO

Foi criado em 15 de agosto de 1858, inicialmente com o nome de Cemitério Municipal. Naquela época, a cidade de São Paulo se resumia no triangulo formado pelas atuais ruas XV de novembro, São Bento e Direita. O resto era só mato, onde dominavam chácaras e plantações. Dos fundos do Palacete do Carmo da Marquesa de Santos, próximo ao Pateo do Colégio, avistava-se a várzea do rio Tamanduatei (Parque D.Pedro I) que serpenteava com as suas águas piscosas muito próximo ao Pateo do Colégio.
Os mortos, era costume na época serem enterrados nas Igrejas e suas proximidades, considerado solo sagrado, o que garantiria que a alma do morto iria para o paraíso. Esse trabalho era de responsabilidade da Santa Casa de Misericórdia, considerado esse um ato de misericórdia final.

Alguns moradores começaram a queixar-se do mau cheiro que começava a surgir em alguns pontos cruciais da cidade, pela falta de espaço para o enterramento dos mortos e aventava-se a hipótese da criação de um local próprio para o enterramento ( cemitério), que ia de confronto direto com a Igreja que era contra. Desde o Século XVIII, médicos ligados a higiene eram contra esse habito, pois afirmavam que isso era muito perigoso à saúde, porem entravam em confronto direto com a Igreja arraigada a crenças e tabus difíceis de serem modificados.

Finalmente, depois de muitos debates, decidiu-se construir o primeiro Cemitério de São Paulo, nos Altos da Consolação, situada depois da várzea do Anhangabaú, perto dos Caminhos das Bandeiras (Ladeira da Memória) e nas margens da antiga Estrada dos Pinheiros. Esse local seria perfeito para o cemitério devido a sua altura, com muitos ventos e bem longe da cidade. Outro fator importante é que a maioria das terras eram de domínio publico e as outrasde chacareiros. O Município se encarregou de adquirir essas terras para realizar a empreitada. A própria MARQUESA DE SANTOS (Maria Domitila de Castro Canto e Mello), além de doar terras, doou uma grande importância em dinheiro para a construção da Capela do cemitério. Foi desse modo, que num terreno de mais de 70 mil metros quadrados, surgiria o primeiro cemitério da Cidade de São Paulo, o da CONSOLAÇÃO.


CEMITÉRIO DOS PROTESTANTES

Em 11.02.1864, foi construído o Cemitério dos Protestantes, para o sepultamento dos acatólicos. Em 12.11.1868, surge o Cemitério da Venerável Ordem Terceira de N.Senhora do Carmo. Fazendo de um modo geral, parte do Cemitério da Consolação.
Poucos lugares despertam tanto sentimentos como o cemitério. Um passeio entre anjos de mármores, esculturas em bronze e cruzes em granito, sentimos no caminho, o envolvimento de um impressionante silêncio, respeito e paz. Paradoxalmente, o Cemitério está encravado bem no Centro da cidade de São Paulo, rodeado por altos edifícios e pelo transito caótico da cidade, fato este que intrigam os visitantes, pois assim que ultrapassam os seus muros, são envolvidos por alamedas arborizadas e o silêncio, onde se esquece da vida, na cidade dos mortos.



2 de mai de 2017

JULES MARTIN - Arte Tumular - 285 - Cemitério da Consolação, São Paulo


Lápide sobre o túmulo

ARTE TUMULAR
Base tumular em granito , dividida em três níveis, um central e dois laterais, todos em linha reta, sem qualquer conotação religiosa.
Aparecendo  somente na porta de entrada  em relevo um Cristo crucificado Sobre o nível central que caracteriza a lápide tumular, destaca-se  uma efigie em relevo do seu busto lateral e acima, uma placa de bronze com o seu nome e datas, destacando  que ele foi o autor do Viaduto do Chá
Na parte frontal uma porta de bronze dá acesso ao tumulo. .
Local: Cemitério da Consolação, São Paulo.
            Quadra 32 - Terreno 12
Fotos>Douglas Nascimento
Descrição tumular: Helio Rubiales



PERSONAGEM
Jules-Victor-André Martin (Montiers, França, 1832 - São Paulo, SP, 1906). Pintor, professor, arquiteto, litógrafo e empresário.
Morreu aos 74 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Em 1844, ingressa na Escola de Belas Artes de Marselha. Em 1852, vai a Paris, e trabalha por três anos no ateliê de George Schlater.

Chega a São Paulo em 1868, a convite do seu irmão, Pierre, sócio do livreiro André Luis Garraux.

Em Sorocaba, trabalha na empresa de algodão do irmão.

Em 1869, muda-se para a capital, expondo algumas pinturas no -Estúdio de Carneiro & Gaspar e nas Casas Garraux.

 Em 1870, abre um curso de desenho e em 1871 monta um das primeiras casas litográficas de São Paulo. Em 1875, sua oficina recebe de d. Pedro II (1825-1891) o título de "imperial litografia".

Em 1877, produz o primeiro Mapa da Província de São Paulo. Apresenta projeto para a construção de um viaduto sobre o Vale do Anhangabaú.

Transfere sua oficina para seu filho, Jules Martin Filho. Em 1880, dedicando-se cada vez mais a trabalhos urbanísticos e arquitetônicos, ganha a concessão para construção do viaduto, o que gera uma série de discussões nos jornais locais. Não consegue construí-lo com recursos próprios, passando a execução à outra empresa.

 Esboça, em 1888, o desenho para a futura estátua de José Bonifácio (moço). Em 1892, pautado em seu projeto original, é inaugurado o Viaduto do Chá.

Em 1890, realiza outra planta da capital do estado de São Paulo e seus arrabaldes. Projeta uma Galeria de Cristal (voltada para o comércio no centro da cidade), concluída em 1900. Nesse ano, organiza a Revista Industrial do Estado de São Paulo para ser enviada à Exposição Universal de Paris.

Em 1905, ao lado de Nereu Rangel Pestana e Henrique Vanorden, edita o álbum São Paulo Antigo, São Paulo Moderno: 1554-1904, que inclui fotografias de Guilherme Gaensly (1843-1928). 

COMENTÁRIO CRÍTICO
Embora possuísse formação artística, Jules Martin não se consolida como pintor, mas como versátil empresário.

Sua trajetória profissional, desde a sua chegada a São Paulo, é marcada por ambiciosos projetos editoriais e urbanísticos. Quanto aos primeiros, Martin destaca-se pela impressão dos primeiros mapas detalhados de São Paulo - em grande formatos ou de bolso - e de cidades vizinhas em expansão econômica, como Santos. Sua oficina é ainda responsável pela produção de inúmeras peças gráficas que circulam no estado, como São Paulo Antigo, São Paulo Moderno, voltadas à promoção do crescimento urbano e econômico vivido pela cidade desde o fim do século XIX.

 Quanto aos projetos urbanísticos, o nome de Martin aparece na idealização de um boulevard que, após sua conclusão na década de 1890, torna-se o primeiro viaduto de São Paulo: o Viaduto do Chá. O projeto original (em estrutura metálica, desmontado em 1938 para dar lugar a um novo viaduto, ainda existente) tem o intuito de facilitar a travessia, à época difícil, do Vale do Anhangabaú, importante local de ligação do comércio, entre o centro velho (Praça da Sé) e o centro novo (Praça da República). Os constantes projetos de sua autoria, mesmo com execução feita por outros, colocam Martin como uma das personalidades mais conhecidas e comentadas em periódicos paulistanos entre os anos 1870 e 1900. Muitas vezes, não por acaso, o Viaduto do Chá é chamado de Viaduto Jules Martin.

MORTE


Fonte: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa23765/jules-martin
            http://www.saopauloantiga.com.br/wp-content/uploads/2012/08/julesmartin1.jpg
Fomatação e pesquisa: Helio Rubiales

Nenhum comentário: